Respiro mais leve ainda

E, aqui dentro, o silêncio…E este espanto! e este medo!
(Olavo Bilac, In extremis)

Poema II

Caminho leve
respiro mais leve ainda

Toco as pedras antigas
o musgo molhado
as rosas de inverno

Sinto a chuva miúda
quase névoa, quase pranto,
correr as flores do limoeiro

Não há ruído, não há silêncio
e lá dentro, no pensamento,
só este espanto
só este medo.

Ana de Santa Cruz, Texturas, II

 

 

Anúncios

4 Comments Add yours

    1. Sara Augusto diz:

      Eu achava que tinha descontextualizado alguns planos… contudo o meu pai não teve dificuldade nenhuma em dizer onde tirei uma das fotografias mais difíceis de identificar. O meu pai gosta imenso de fotografia. E nós gostamos dele e de fotografia.

      1. Lembrou-me o Outono nas Caldas da Felgueira. Saudades, nostalgia. Lindo o poema e as fotos, um contexto só. Uma gota de orvalho Sara.

  1. Continua, Sara, sempre, esta tua estrada de prata, maravilhosa!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s