Cartas do meu moinho

Costumo sair do meu caminho habitual para tirar fotografias e à conta disso tenho conhecido recantos inesperados, estranhos, isolados e bonitos. Nas minhas viagens semanais para Coimbra isso acontece com alguma frequência. Nunca fiquei desapontada! Mas já me perdi, já tive de voltar para trás porque não havia mais caminho, já tive de passar por um rego de água que parecia um ribeiro…

Desta vez subi aos moinhos de Gavinhos já perto de Penacova. Andei quatro anos a olhar para o cimo do monte marcado pelo perfil de moinhos de vento. Olhava à vinda e olhava à ida, mas nunca consegui perceber como se chegava lá em cima. Desta vez, com a máquina pronta, resolvi-me. Não havia que enganar: tinha de sair do IP, virar à esquerda e subir ao monte. Lá fui, lá cheguei. Conduzi por ruelas estreitíssimas no meio de uma aldeia, de duas aldeias, por estradas ladeadas de eucaliptos, a subir, mas quando cheguei os horizontes abriram-se. Lá estavam os meus moinhos, durante tanto tempo vistos de longe. Pareciam velhos, mas as cores eram quentes, mais ainda naquele céu de quase trovoada. Fotografei bastante, comi a fruta e bebi o iogurte sentada numa pedra e cheguei atrasada a Coimbra. Mas nunca me importei muito de chegar atrasada a Coimbra…

Cartas do meu moinho (1869), de Alphonse Daudet, foi o título que logo me veio para este artigo. Pareceu-me adequado… ou apenas familiar. Agora, depois das fotografias, mais familiar ainda. Espero que gostem e que visitem.

Anúncios

5 Comments Add yours

  1. nina luz diz:

    Ai, Sara! Caminhos velhos…
    Quis lá voltar faz uns anos, numa das visitas a Portugal, para mostrar ao meu marido – mas como encontrar os caminhos velhos no labirinto das novas estradas? Nem para a minha aldeia os consegui encontrar facilmente (e eu que cresci por esses vales, e comi pão da farinha dos moleiros de Gavinhos…).
    Fotografias lindas, como sempre. Obrigada.

    1. Sara Augusto diz:

      Um andei uns anos a ver por onde seria, Nina! Parece que ainda há um moinho em funcionamento, mas não me pareceu. Um lugar lindo! Abraço!

  2. Sofia Pereira diz:

    Gosto muito desta publicação… as fotos são fantásticas assim como o texto que nos apresenta as fotos…

    1. Sara Augusto diz:

      Sofia, espero que voltes e que encontres motivos que te agradem. A fotografia será sempre um dos meus temas preferidos! Mas gosto de enquadrá-la e dar-lhe palavras. Deve ser a minha veia barroca e horaciana do ut pictura poesis!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s