A condição humana e a alegoria

Il est très rare qu’un homme puisse, comment dire? Accepter sa condition d’homme. 
André Malraux, La condition humaine (1933)

Falar da condição humana, falar do desconhecido e do que está para lá do entendimento, sempre foram condições favoráveis à utilização da alegoria, entendendo esta como um procedimento que permite ou exige que um enunciado tenha uma segunda leitura. A escolha do título desta conferência chama pelo romance de André Malraux, La Condition Humaine (1933), não por coincidência de pontos de vista, mas pela coincidência do objecto e sobretudo pelo facto de que quem lê este grande romance não pode “deixar de sentir lá uma nostalgia da grandeza e da dignidade humanas, como se estas fossem algo que tivesse perdido e que em face do destino cada homem pode encontrar”, como disse Jorge de Sena. Serão percursos diferentes, mas a reflexão sobre a condição do homem, a condição humana, foi e continua a ser matéria central da alegoria.

Amanhã, na Biblioteca Municipal de Coimbra, pelas 18h.

Cartaz_A3


 

Anúncios

One Comment Add yours

  1. Para pensar, certamente. 🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s