Íntimo do mundo

As palavras soçobram rente ao muro
A terra sopra outros vocábulos nus
Entre os ossos e as ervas,
uma outra mão ténue
refaz o rosto escuro
doutro poema

António Ramos Rosa, in A Nuvem Sobre a Página

***

Era assim que eu queria escrever, num instante de luz e sombra, mas não sei fazê-lo. Como pensar esta intimidade única com o mundo que, por um acaso da fortuna, vislumbro? Por vezes cada objecto se ilumina, e eu pude ver. E todos os outros que não vi?

Tão breve e tão profundo. De tal forma que esse fulgor me perfura como um cristal de gelo caído dos ramos de inverno, como um olhar inesperado de um anjo de mármore, como um cintilar de água batida pelo sol nascente. E assim acumulo  metáforas e imagens, incapaz de ir mais além.

Mas eu queria escrever e contar daquele tempo não medido entre o olhar e o aperto no peito, entre o sorriso leve e os olhos húmidos sem razão definida, entre o sentido e o gesto. Mas não consigo. Esbarro no arame farpado de uma sintaxe presa, sem que as palavras se tornem asas ou luz. Sinto o peso de todas elas, tantas, imensas.

São as palavras que me tornam pedra e terra e musgo. São as palavras que me tornam eco e tempo. São as palavras que me tornam íntima do mundo.

Íntimo do mundo
Íntimo do mundo

Estar Só é Estar no Íntimo do Mundo

Por vezes cada objecto se ilumina
do que no passar é pausa íntima
entre sons minuciosos que inclinam
a atenção para uma cavidade mínima
E estar assim tão breve e tão profundo
como no silêncio de uma planta
é estar no fundo do tempo ou no seu ápice
ou na alvura de um sono que nos dá
a cintilante substância do sítio
O mundo inteiro assim cabe num limbo
e é como um eco límpido e uma folha de sombra
que no vagar ondeia entre minúsculas luzes
E é astro imediato de um lúcido sono
fluvial e um núbil eclipse
em que estar só é estar no íntimo do mundo

António Ramos Rosa, Poemas Inéditos.

Anúncios

5 Comments Add yours

  1. Clarisse diz:

    É sempre com agrado que venho até aqui!
    Hoje eu também queria:
    “Mas eu queria escrever e contar daquele tempo não medido entre o olhar e o aperto no peito, entre o sorriso leve e os olhos húmidos sem razão definida, entre o sentido e o gesto. Mas não consigo. Esbarro no arame farpado de uma sintaxe presa, sem que as palavras se tornem asas ou luz. Sinto o peso de todas elas, tantas, imensas”.
    Obrigada Sara vou refletir!
    beijinho

    1. Sara Augusto diz:

      É o que fazes quando fotografas: crias intimidade com o mundo, querida Clarisse! Abraço.

  2. António Ramos Rosa, O Livro da Ignorância, col.« Pequenos Continentes », Editora Signo|Brumarte, Lisboa|Ponta Delgada (Açores), Setembro de 1988.
    http://bit.ly/xUEACa

    1. Sara Augusto diz:

      Ficou belíssimo.

  3. Helena Gonçalves diz:

    Estou sem palavras, mas de olhar turvo… Uma emoção este conjunto, Sara. É sempre tão bom vir aqui!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s