Miragem: Córdova.

***

Cheguei ontem a casa, já era noite, e deitei-me cedo. Quando me levantei e abri a portada, um manto pesado de geada sobre o quintal gelou-me da cabeça aos pés. Consegui aquecer depois. Entretanto, quando procurava uma fotografia que devo ter arrumado na pasta errada, encontrei as fotografias que tirei em Córdova e que já editei há bastante tempo. Vinha delas o mesmo calor dos 45 graus de agosto e a mesma cor intensa. Vi-as novamente, uma a uma, lembrando cada gesto. Talvez por entre a geada, derretida pelo sol frio de dezembro, esta memória não faça sentido. Ou, sim, fará mais sentido ainda, avisando-me que o verão não é eterno, e que o seu número se esgota inexoravelmente em cada ano que passa.

Parei de escrever. Neste momento tudo me parece distante, irrecuperável, e impossível aquele calor de Córdova num improvável mês de agosto.

Anúncios

2 Comments Add yours

  1. peregrino diz:

    Que cidade tão preciosa, onde se mistura duas espiritualidades tão diferentes, por um lado procura-se a perfeição de Deus pela imagem perfeita e por, por outro, se reconhece o mistério inabarcábel que não pode ser plasmado nas imagens. Desse Deus supremo só é possível titubear algumas palavras, recorrendo ao recurso tão precioso que é a analogia.
    Cristãos e muçulmanos numa síntese tão bela e armónica, que nos faz perguntar por essa grande utopia: o diálogo, pacífico, inter-religioso.

    1. Sara Augusto diz:

      Sim. Córdova é assim… e luz, muita luz.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s