Histórias de imigração

*** A acreditar-se nos historiadores ibéricos, sejam espanhóis, sejam portugueses, a descoberta das Américas pelos Turcos, que não são turcos coisíssima nenhuma, são árabes de boa cepa, deu-se com grande atraso, em época relativamente recente, no século passado, não antes. (…) Os primeiros a chegar do Oriente Médio traziam papéis do Império Otomano, motivo por que…

Inferno de martyrios

*** Lidar com miscelâneas pode ser a coisa mais surpreendente do mundo. Hoje é um desses dias de surpresa. Tenho estudado a literatura de viagens, centrada essencialmente nas viagens no sul da Europa, tendo sobretudo Roma como destino privilegiado, cidade dos papas, centro do mundo, a Urbs Aeterna. Por isso nunca deixo de lado referências…

Useless

***  – Mais servira, se não fora Para tão longo amor tão curta a vida!  Camões, soneto “Sete anos de pastor Jacob servia”   How reliable is my precious heart. How useless it is.

Say my name

*** Florence and the Machine, Spectrum. When we first came here we were cold and we were clear, with no colours on our skin, we were light and paper-thin. And when we first came here, we were cold and we were clear, with no colours on our skin, ‘till you let the spectrum in. Say…

May I cry?

*** Tarde te amei, ó beleza tão antiga e tão nova, tarde te amei! Estavas dentro e eu fora te procurava. Precipitava-me eu disforme, sobre as coisas formosas que fizeste. Estavas comigo, contigo eu não estava. As criaturas retinham-me longe de ti, aquelas que não existiriam se não estivessem em ti. Chamaste e gritaste e rompeste…

Figuras da ficção

*** Sara Augusto. As figuras da ficção romanesca do maneirismo e do barroco: problemas e exemplos. Limite.  nº 7, 2013, pp. 83-98 [ISSN: 1888-4067]. Resumo As considerações tecidas neste trabalho pretendem mostrar como entre diferentes períodos literários a figuração das personagens apresenta idiossincrasias que devem ser consideradas. Mostra-se como fatores contextuais determinaram a dimensão das personagens…

E as cidades contam histórias…

*** You can’t hide in Suburbia. Terceira crónica no Rua Direita. Outro texto difícil de escrever. Lembro-me bem como estava sentada na Buchanan Bus Station e dizia comigo mesma: eu vou escrever sobre isto. Levei tempo, mas decorei pormenores que ganharam mais força e se destacaram. Será que as coisas felizes têm história? E a…

Septem soles

*** Se às vezes digo que as flores sorriem… Alberto Caeiro. Divido o tempo e vou somando. Um  ano, doze meses, um mês, trinta dias, uma semana. E somando retomo um ano, e neste exercício me demoro, prolongando o tempo, como se a espera e a passagem dos dias fossem alguma firmeza na penumbra.  E…

Cidades estranhas

*** A cidade se embebe como uma esponja dessa onda que reflui das recordações e se dilata. Italo Calvino, As cidades invisíveis.   Continuo a escrita de viagens. A memória torna-se mais forte mas também mais apurada. Foi a segunda crónica publicada no Rua Direita. As cidades são estranhas. As cidades são estranhas. Nunca são iguais….

Chave de casa: nosce te ipsum

Chave de casa: nosce te ipsum ou por que razão escolher a alegoria. *** Sem me levantar, pego a caixinha na mesa-de-cabeceira. Dentro dela, em meio a pó, bilhetes velhos, moedas e brincos, descansa a chave que ganhei do meu avô. Tome, ele disse, essa é a chave da casa onde morei na Turquia. Olhei-o…