Into the light

Luz opaca onde as asas se ferem
e o voo fica suspenso.

Ana de Santa Cruz, Fábulas

Octávio Paz, em 1973, no texto La mirada anterior, Prólogo a Las enseñanzas de Don Juan, de Carlos Castaneda, a propósito de uma curiosa citação de Michaux sobre o receio da “demasiada” publicação das suas obras, afirma: “Es difícil no simpatizar com Michaux; más vale ser desconocido que mal conocido. La mucha luz es como la mucha sombra: no deja ver”.

A última parte da citação aparece sozinha a maior parte das vezes e, por isso, perde a ligação com o contexto em que foi pronunciada e ganha outros sentidos. E foi noutro sentido que também a li: “La mucha luz es como la mucha sombra: no deja ver”…

Esta fotografia foi feita nos jardins do Palácio de Cristal, num dia de uma luz enevoada que me feria os olhos e me deixou exausta. Quando abri o ficheiro, algum tempo depois, senti a mesma luz e cerrei os olhos novamente. Mas ela, a gaivota, abriu as asas, suspensa na paisagem, corpo de sombras, olhos de luz.

_MG_0712

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s