No meio do caminho

No Meio do Caminho

No meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
Tinha uma pedra
No meio do caminho tinha uma pedra

Nunca me esquecerei desse acontecimento
Na vida de minhas retinas tão fatigadas
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
Tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
No meio do caminho tinha uma pedra.

Carlos Drummond de Andrade, Alguma poesia, 1930

Olhei e li o poema quase de imediato. Como se houvesse coisas que apenas existem para garantir esse segundo em que se interligam de forma insólita, em que ganham um lugar na imaginação do mar e das pedras, um lugar na gramática do mundo.

© Sara Augusto 2017 Hong Kong

_E7A9766-2

Anúncios

3 Comments Add yours

  1. Helena Rocha Goncalves diz:

    Como é que ponho aqui um coração de adoro? Não ponho! Uso palavras para te dizer que está fantástico e que continues!

  2. Sara Augusto diz:

    Tenho discutido o sentido da pedra no caminho. Parece-te obstáculo ou um elogio do concreto, do simples, do real?

  3. Sara Augusto diz:

    E obrigada!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s