A noção de ser

*** Há um sussuro morno sobre a terra; degladiam-se luz e trevas pela posse do Universo; sente-se a existência a penetrar-nos nas veias vinda lá de fora através da janela; cresce a alegria na alma a Vida murmura-nos doces fantasias. Tangem sinos na madrugada vai nascer o sol. A. Agostinho Neto, Amanhecer. Relembro as aulas…

Uykusuz Venüs

*** Dos confins da vigília. Como gostarias de te lembrar de mim? Dizes-me que voltaste Dizes-me que não me esperavas Digo-te Apenas Que permaneço intocável Ao sabor da leitura que foi nossa Descoso-me com os cuidados de uma      [costureira minuciosa Mesmo sabendo que não me esperaste Atravessei-te Sem sair de cá Atravessei-te Como…

Atlas do Corpo e da Imaginação

*** A “fonte do pensamento genuíno é o espanto, espanto por, e perante o ser. O seu desenvolvimento é essa cuidada tradução do espanto em acção que é o questionar…” G. Steiner, Heidegger, Dom Quixote, 1990, p. 53   Terceira crónica publicada no Correio Beirão, 14 de março. Atlas do Corpo e da Imaginação  Que…

Metamorfoses da santidade

*** Casos, opiniões, natura e uso Fazem que nos pareça desta vida Que não há nela mais que o que parece. Camões, Soneto “Correm turvas as águas deste rio” A releitura de Orbe Celeste, de Soror Madalena da Glória, publicado em 1742, foi o motivo para o terceiro artigo na série Teografias. Começou assim: “A conferência…

Atlas do corpo e da imaginação

“O que as leis acalmam é esse instinto violento que domina as relações entre indivíduos e corpos. Acalmar, porém, não é eliminar, mas adiar.” Atlas do corpo e da imaginação. Teoria, fragmentos e imagens, 2013: 73   É possível que vá ler o Atlas do corpo e da imaginação todinho de seguida, mas por agora contento-me…

Corte de Roma

*** Ponho aos reaes pés de Vossa Magestade as observaçoens que foi em onze mezes de tempo assim sobre a cidade e corte de Roma, como sobre os mais dominios do Papa. Dedicatória a D. João V, por D. Luís Caetano de Lima, 1722 No capítulo XVIII da sua Relaçam da Corte de Roma, escrita…

Chave de casa: nosce te ipsum

Chave de casa: nosce te ipsum ou por que razão escolher a alegoria. *** Sem me levantar, pego a caixinha na mesa-de-cabeceira. Dentro dela, em meio a pó, bilhetes velhos, moedas e brincos, descansa a chave que ganhei do meu avô. Tome, ele disse, essa é a chave da casa onde morei na Turquia. Olhei-o…

Ut pictura fictio

*** [A Riqueza] Era uma mulher de luzidos olhos, prateada tez, dourados cabelos, vestia de tela de prata, e assim manto como roupa bordava de botões de ouro, gala que estudar-se-lhe o ser, fora injuria, a cabeça era um tesouro de joias, e quanto mais leve na consideração, mais capaz de fazia para o peso….

Íntimo do mundo

As palavras soçobram rente ao muro A terra sopra outros vocábulos nus Entre os ossos e as ervas, uma outra mão ténue refaz o rosto escuro doutro poema António Ramos Rosa, in A Nuvem Sobre a Página *** Era assim que eu queria escrever, num instante de luz e sombra, mas não sei fazê-lo. Como…

Libreria del Viaggiatore

*** Travel has no longer any charm for me. I have seen all the foreign countries I want to except for heaven and hell, and I have only a vague curiosity as concerns one of those.  Mark Twain, The Complete Letters of Mark Twain, Echo Library, 2007. Diz Lamartine na sua Voyage en Orient, publicada em 1835: Il…

A chave de casa, nas Ciências & Letras

Quem sabe aos poucos, quando conseguir dar os primeiros passos, quando conseguir me libertar do fardo, não consiga também dar nome às coisas? E por isso, só por isso escrevo. (Tatiana Salem Levy, 2007, p. 12) Saiu o meu primeiro artigo sobre os romances de Tatiana Salem Levy, “A chave de casa: alegoria na produção ficcional…

Fábula dos Planetas

***** Sunt bona, sunt quaedam mediocria, sunt mala plura Quae legis hic: aliter non fit, Avite, liber. (Marcial, Liv. II, Epigr. 16) Acabou de sair, editado pela conhecida Iberoamericana / Vervuet, o volume Del poder y sus críticos en el mundo ibérico del Siglo de Oro. Con contribuciones en portugués (Índice), com coordenação de Ignacio Arellano, Antonio…