A rose is a rose is a rose et coetera

E nesses primordiais cabelos precocemente cosidos onde poderei afagar as sobras calcinadas do amor, a timidez da luz, um primeiro movimento, uma mãe?   Ano de 2015. Voltei a Coimbra e encontrei-me com o João. Tinha o manuscrito de um novo livro. Li-o e chorei. Falei-lhe do trabalho de fotografia documental que tinha feito com…

Tu, cristal em chamas derretido

(…) Tu, que em um peito abrasas escondido, Tu, que em um rosto corres desatado, Quando fogo em cristais aprisionado, Quando cristal em chamas derretido, Se és fogo, como passas brandamente? Se és neve, como queimas com porfia? (…) Gregório de Matos, do soneto ”Ardor em firme coração nascido!”   Não, não havia fogo. Até…

Será mesmo laranja ou só procura?

laranja Talvez seja laranja o sol poente ou quase cor de sangue – esse andarilho; laranja como o lume, quando é filho da noite onde o vermelho se pressente. Talvez seja laranja que desmente as cores do arco-íris que dedilho… Laranja ou só um risco ou só um trilho de pele a anoitecer tão levemente?…

Ten seconds of Joana’s cat.

Era difícil não ter Baudelaire na cabeça enquanto fotografava a Gata: “Espelho meu, espelho meu, quem é mais gata do que eu?” És tu, Joaninha. Le chat Viens, mon beau chat, sur mon coeur amoureux; Retiens les griffes de ta patte, Et laisse-moi plonger dans tes beaux yeux, Mêlés de métal et d’agate. Lorsque mes…

Sobrevivente

Ouve-me, Sara, ouve-me. Disseram-te: minha filha, tu és isto e aquilo. E eu digo-te: tu és como és, Sara. Disseram-te: as coisas são o que são. Querer que elas sejam outra coisa é tolice e pecado, presunção, sonho infantil, revolta. E eu digo-te: transforma o mundo, Sara. Disseram-te: faz bem o que tens a fazer,…

A espessura do sol

O fim de agosto traz-me sempre melancolia. Mas também não o direi a ninguém… A espessura do sol Cabe na boca O Verão Está quase a terminar Não O diremos a ninguém Daniel Faria, Poesia, 428

Into the light

Luz opaca onde as asas se ferem e o voo fica suspenso. Ana de Santa Cruz, Fábulas Octávio Paz, em 1973, no texto La mirada anterior, Prólogo a Las enseñanzas de Don Juan, de Carlos Castaneda, a propósito de uma curiosa citação de Michaux sobre o receio da “demasiada” publicação das suas obras, afirma: “Es…

A delícia da vida

(…) E eu morrendo! E eu morrendo, Vendo-te, e vendo o sol, e vendo o céu, e vendo Tão bela palpitar nos teus olhos, querida, A delícia da vida! A delícia da vida! Olavo Bilac, In extremis (…) O que adoro em ti lastima-me e consola-me: O que eu adoro em ti é a vida!…

Dois anos

Ouve o que diz a mulher vestida de sol quando caminha no cimo das árvores «a que distância deixaste o coração?» José Tolentino Mendonça, A que distância deixaste o coração Passaram dois anos. Tenho andado mais por veredas e caminhos sombrios que por largas avenidas luminosas, mas da sombra vem a luz e a criação, mesmo…

Novelos

*** O verdadeiro amor, o imortal e inútil, pertence àquelas figuras em que a mudança não entra, por sua natureza de estáticas. F. Pessoa, Livro do Desassossego. *** Se a vida é um novelo que alguém emaranhou? Prefiro pensar que fui eu que a emaranhei. Não gosto da ideia que alguém o faça ou tenha feito…

Maneira de dizer

*** Quando tornar a vir a Primavera Talvez já não me encontre no mundo. Gostava agora de poder julgar que a Primavera é gente Para poder supor que ela choraria, Vendo que perdera o seu único amigo. Mas a Primavera nem sequer é uma cousa: É uma maneira de dizer. Nem mesmo as flores tornam,…

*** Não importa quanto dura o inverno; a primavera vem logo a seguir. Provérbio. Sim, não resisto. São belas. São únicas. E fazem-me respirar fundo e situar as coisas no lugar a que pertencem. Lembram-me Alberto Caeiro, e o seu “Quando vier a Primavera”. Quando vier a Primavera, Se eu já estiver morto, As flores…